quinta-feira, 6 de julho de 2017

Surpreendentes Captadores Edu Fullertone - Parte 2

De um bom GFS Tele bridge para um pickup dos sonhos!


Há alguns anos atrás eu procurava por uma Fender Telecaster e acabei gostando de uma American Special bem dentro das specs mais caretinhas do modelo. Mantive a captação por um bom tempo, mas nunca usei muito essa guitarra, apesar de gostar muito dela. Depois que encontrei a Fender Telecaster 50's Road Worn que já postei por aqui ( https://timbre-se.blogspot.com.br/2016/12/setups-3-ainda-miniboard-com-os-friends.html ) achei que a minha Tele American Special poderia virar uma máquina mais moderna e versátil!

A primeira coisa interessante que eu havia percebido nessa Telecaster era o fato de que, ao se retirar o escudo, via-se que a cavidade do captador do braço era na medida de um Mini HB, estilo LP DeLuxe ou Firebird. Isso já deixou uma possibilidade aberta para experimentação. Depois de desistir de usar um Mini HB de DeLuxe da Gibson na minha LP Tribute, resolvi que chegara a hora de experimentá-lo na Tele Am Special. Procurei por um escudo de Tele com essa abertura pra captador Mini HB e logo o encontrei. Depois de instalado, esse Mini HB nunca mais saiu dali. O ajuste de altura, como sempre, foi importantíssimo para se obter um equilíbrio de corpo e harmônicos. Mas aí comecei a não curtir mais o pickup da ponte  e a combinação de ambos.

E eis que começa a tal novela... Experimentei alguns captadores nessa posição, alguns com melhores e outros com piores resultados. A questão era, além de combinar, não perder completamente o twang fundamental de Telecaster. Um candidato que passou um bom tempo nessa posição foi um Klein Fatman. Um captador com grave gordo e potente sem deixar completamente a sua natureza de bobina simples. Por algum tempo permaneceu ali. Até que recebi de alguma transação de trocas e vendas um GFS 60's overwound e decidi experimentá-lo...

Qual não foi minha surpresa ao notar que o GFS ficou ainda mais interessante que o Klein, uma marca que nunca me decepcionou! Pois ele tinha a mesma corpulência do Klein, porém um twang muito mais pronunciado! Parecia ser o real candidato à posição. Como a instalação foi feita às pressas, usei as molas que acompanhavam o GFS no lugar de tubinhos de látex, logo que comprei os tubinhos novos fui fazer a substituição. Foi aí que equivocadamente acabei por arrebentar um dos fios do GFS!!! Pus o Klein de volta e enviei o GFS para o Edu Fullertone com a seguinte recomendação: "Faça o que você achar melhor!"

Depois de algum tempo o Edu recebeu as coisas que havia mandado pra ele (o kit de Mini HB Firebird da StewMac e o cadáver do GFS de Tele). Logo ele me mandou notícias e revelou uma coisa que de uma forma ou de outra já sabíamos: os captadores da GFS são bem genéricos, feitos como a maioria dos pickups genéricos vindos da China e disse que refaria boa parte do captador, além de reenrolá-lo com fio decente e correto para a sonoridade requerida. Quando recebi o pickup logo o instalei ( com muito mais cuidado...rs ) e lembro-me até de rir sozinho por "felizmente" ter arrebentado o pickup original! O resultado está nas faixas de áudio que seguem abaixo. Na minha opinião ele apresenta o equilíbrio perfeito, bem mais que o GFS tinha originalmente, com uma complexidade harmônica incomparável. Mais um sucesso extraordinário dos Fullertone Pickups!

Mesmo sabendo que os GFS são feitos de forma não tão apurada, os resultados podem ser bem bons. Ainda tenho alguns dos captadores que comprei deles e dos quais gosto bastante. Mas é difícil compará-los com captadores artesanais de boutique como os Fullertone Pickups!
Chegamos a gravar um vídeo, mas os artifícios sonoros criados pelos codecs de áudio do YOUTUBE ficaram tão terríveis que mal se entendia o timbre do instrumento e dos captadores.
Os áudios e video (não usado) foram feitos na loja GoldTop Instrumentos musicais do meu amigo Sidnei Vaz e contaram com seu auxílio luxuoso. O amp usado foi um Fender Super Sonic com um cabinet de 4x12" Dime.

GoldTop Instrumentos Musicais:  http://www.goldtop.com.br/

Guitar Fetish Pickups: http://www.guitarfetish.com/KP--Repro-1960s-HOT-Alnico-Tele-Bridge-Pickup--Kwikplug-Ready_p_21963.html


8 comentários:

  1. Q legal , mais um case de sucesso diante da adversidade. Agora entre nós , dos fabricantes nacionais e mesmo de alguns hand importados , eu não conheço ninguem que "arrisque em projetos" como eu , nesse seu caso tem tudo contra , A bobina de plastico , a chapa traseira q era de latao e não de aco , os imas sem corpo , enfim , fiz o q pude e o resultado ficou 10 , Vc tem sorte caro amigo !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, meu caro! Mas minha sorte muitas vezes, como dessa vez, reside em apostar no talento e no amor pelo que faz de pessoas como você. Fullertone é tiro certo, sniper perde!
      Grande abraço!

      Excluir
  2. Muito legal mestre, deu até vontade de mexer nas minhas teles que não curto muito o som. Otimo trabalho do Eduardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo, meu caro!
      Eu ainda estou aprendendo a lidar com Telecasters... São animais selvagens, não é fácil. Minha casa, meu lar e acho que sempre será a Stratocaster. Mas as outras guitarras acabam me levando a outros lugares, é incrível isso! E agora que descobri que curto Firebirds, não garanto mais nada!
      Vá fundo, experimente. Mas uma coisa que sempre gosto de lembrar é que a altura dos captadores é crucial.
      E no final das contas a combinação de todos os fatores torna cada guitarra única.
      Grande abraço, boa sorte e volte sempre!

      Excluir
  3. Boa noite, Alex! Você usou potenciômetros de 500k ou 250k?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite e seja bem vindo(a)!
      Nessa guitarra eu mantive o wiring original da Fender. Que inclui pots de 250k e aquele circuitinho Greasebucket de TONE ficou bem elegante nesse contexto.
      Volte sempre, abraços!

      Excluir
  4. Fala Alex, tudo bom aí?
    Demorei para ouvir os áudios da Firebird e dessa Tele, então já vou comentar as duas aqui.
    Mais uma vez acertou na escolha dos captadores, as duas agora tem um som moderno e de single gordo, mas super dinâmicos e equilibrados. O trabalho do Fullertone merece mesmo respeito e reconhecimento.
    Continuo achando o design das Firebird estranho, mas o som clean delas é tão bonito que só por isso já se justifica ter uma.
    A Tele perdeu um pouco o "ar" country, mas ficou versátil, som forte e os captadores parecem ter sido desenvolvidos em conjunto, tipo um combo custom shop.
    Conheço vários ótimos guitarristas que fogem de Teles...rsrs.
    Ela tem um som cru e direto, e não sei se concorda mas os singles originais são versáteis mas magros por natureza, e isso espanta muita gente.
    No entanto se tiver paciência para se adaptar, é difícil ficar sem uma boa Tele.
    Parabéns a você e ao Eduardo Fullertone, pela parceria nesses dois projetos.
    Abraço,

    Marçal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maravilha, sempre bom ter você por aqui!
      Então, vamos lá!
      No caso da Tele, foi mais uma mistura de sorte e o talento do Edu Fullertone! Eu acho até que ela preserva boa parte do twang e das características country, eu é que puxei a coisa pra outro lado, até por falta de conhecimento da área, chops e fraseado de bluesgrass, adoro, mas desconheço. Ou seja, preciso pesquisar e estudar!
      A Firebird pra mim é uma guitarra de sonho, tanto em termos de som como de design. Eu gosto desse visual "futurista de antigamente" das guitarras da Gibbo. Talvez a Flying V seja a única que não me chama a atenção... já a Explorer eu acho linda, mas não sei se teria coragem de pendurar uma ao vivo. talvez um dia... Depois que percebi que eu sentia a Firebird como uma espécie de Strat de Ogro (Hahahaha), entendi que estaria em casa.
      Eu não desgostava do som dessa Firebird quando chegou, mas quando eu ouvia em CDs as dos anos 60 era outra coisa. Experimentei outras, da Gibson mesmo, já que essa é uma cópia, e também não pareciam em nada com aquilo.
      Depois de pesquisar e entender parte das diferenças cheguei à conclusão de que só uma pessoa como o Edu estaria à altura do desafio. Como sempre ele não me decepcionou!
      É basicamente isso!
      Apareça sempre, seus comentários tem sido preciosos!
      Grande abraço!

      Excluir